segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Excreção: noções gerais

O conceito de excreção
Excreção é remoção de substâncias prejudiciais ou maléficas para seu funcionamento. O sistema excretor tem a função principal na homeostasia, isto é, a manutenção de um meio equilibrado, processo essencial para a vida.


-> A excreção nos invertebrados


 


-> A excreção nos animais vertebrados

           


-> O ciclo da ornitina 

 
-> O sistema excretor humano


-> A estrutura do nefrom



-> Como se dar a formação da urina?



                                                     http://curlygirl.no.sapo.pt/excrecao.htm

-> Regulação da função renal




-> Qual o melhor  jeito de eliminar urina? "Não especificado"


??????????????????????????????????????????????????????????

A excreção nos invertebrados



 Porifera




As esponjas são um componente conspículo e colorido de muitas paisagens marinhas. As esponjas fixas, frequentemente  verticas, são para os recifes de corais, grutas marinhas e bóias o que estalagmites e esta- lactites são para as cavernas terrestres de rochas calcária, exceto que as cores das esponjas são tão vividas e variadas quanto as flores de van Gogh.

Excreção

Em razão do sistema aquifero ventilar todo corpo até cerca  de 1mm de toda as células, a difusão simples responda pelo transporte de gases e dejetos metabólico em grande parte amônia entre o corpo e a água do sistema aquífero.

Cnidária

Os cnidário, colorido e radialmente simétricos, são as flores do mar. Alguns,como a familiar Hydra,colonizaram a água doce,mas nenhuma vive no meio terrestre.


EXCREÇÃO
O produto excretor dos Cnidários é a amônia, que prontamente se dissolve na água, difunde-se pela parede do corpo e é dispersada por correntes.Hydra de água doce concentra K+e remove Na+de suas células.Parte desse Na+é liberado no fluido celentérico,elevando sua concentração osmótica em relação á água ambiental.O influxo osmótico resultante da água para dentro do celêntero pode ajudar na pressurização do esqueleto hidrostáticos ,ou água para excedente (e o Na+) pode ser descartada periodicamente pela boca.

PLATELMINTOS

Os Platelmintos são, em sua maioria, vermes aquáticos, pequenos, de corpo mole que não se enterram,mas ao contrário movem-se sobre e entre rochas,partículas de sedimento,detritos,algas e no tecido de suas presas.Eles incluem vermes chatos de vida livre e solitária.

Excreção
Espongiária e celenterados não apresenta órgãos excretores. As excreção são eliminada, por difusão, pelas superfície exposta ao meio aquático.
A célula - flama ou solenócito é o elemento fundamental do sistema excretor dos platelmintos. É uma célula alongada percorrida por uma canalículo no qual existe um tufo de cílios. A porção terminal da célula á alargada e contém o núcleo. O solenócito absorve catabólitos e o excesso de água .O batimento dos cílios provoca correntes líquidas que enviam as substância coletadas para um sistema de túbulos que desmbocam em poros excretores.         

Nemertea

As 1.500 espécie de nemertinos são predadores que caçam de tocaia, como se estivessem lançando arpões ou laçando suas presas como sua proboscídeo como veneno, penetrante ou pegajosa

Excreção

O sistema excretor é constituído por dois ou mais protonefrídios, cada um com dois ou mais protonefrídios que estão geralmente restritos á região anterior do trato digestivo, e não espalhado  como amaioria dos platelmintos. As células terminas projetam – se para dentro da  parede dos vasos laterais e modificam o fluido ali encaminhado pelo sistema circulatório. Em alguns casos, o revestimento dos vasos é interrompido nos locais de contato, de maneira que a lâmina basal que envolve as células terminais seja banhada diretamente pelo fluido. Os diversos túbulos nefridiais unem – se e formam dutos coletores, que se abrem ao exterior. Um nefridióporo, ou poros, está localizado em cada lado do corpo ao nível da porção anterior do trato digestivo. Os protonefrídios desempenham um papel na osmorregulação uma vez que as espécies semiterrestres e de água doce a presentão muito mais células terminas, algumas vezes milhares a mais, do que seus companheiros marinhos.          
Moluscos
Moluscos é uma enorme tóxon secundário apenas ao Arthorpoda em número de espécie vivente .Ele inclui muitas famílias animais,tais como ostras,mexilhões caracóis,lesma,polvo e lulas,em sete classes viventes.Apesar de suas diferenças obvias ,esses animais são todos molusco e dividem muitas características básicas.

Excreção
Os órgãos excretores são dois nefrídios muito grande, glandulares e secretores,localizados lateralmente na hemocele.Cada nefrídio conecta-se com a cavidade pericárdica por um canal renopermicardial e abre-se por um nefridióporo na região posterior da câmara exalante da cavidade do manto para liberar a urina final.Formação de urina ocorre como descrito para o molusco generalizado

Anelídeos



 Os anelídeos são animais com corpo alongado, segimentado,  triblasticos, protostómios e celomados, ou seja, com a cavidade do corpo cheia de um fluido onde o intestino e os outros órgãos se encontram suspensos e com Simetria Bilateral.

Excreção
Os órgãos excretores de anelídeos são nefrídios segmentares, sejam sistema metanefridiais, sejam protonefrídios. As extremidades interna desses sistema (funis ou células terminais ,respectivamente )encontram-se freqüentemente associadas à face anterior de cada septo,a partir do qual projetam-se no fluido celômico.O tíbulo nefridial  de cada nefrídio penetra o septo e passa para o segmento  imediatamente posterior ,antes de se abri r para o exterior  do corpo .Em geral ,sistema metanefridiais ocorrem em anelídeos com sistema hema,nos quais alguns vasos apresentam locais de filtração revestido por podócitos, enquanto os protonefridios são encontrados em anelídeos que não apresentam sistema hema.

Artopodes


Os Artrópodes são animais invertebrados caracterizados por possuírem membros rígidos e articulados e terem vários pares de pernas Os artrópodes habitam praticamente todo o tipo de ambiente: aquático e terrestre e representam os únicos invertebrados voadores. Existem representantes parasitas e simbióticos. Há registros fósseis de artrópodes desde o período Cambriano.

Excreção
Os órgãos excretores segmentares são nefrídios saculiformes pareados: cada um desses consiste em um saco em fundo cego com podócitos, conectado a um nefridióporo externo por meio de um duto. O saco em fundo cego, derivado do celoma,contém um minúsculo espaço celômco.O duto é derivado  do metanefrídios e,em Onychophora,o seu nefróstoma é ciliado,como o de anelídeos ,mas não o de artrópodes.Portanto ,o nefrídios de onicóforos é transicional entre os de anelídeos e artrópodes.Os nefridióporo situam-se ventralmente,na base das pernas .Quase todos os segmentos do tronco têm um par de nefrídios.
Os nefrídios de onicóforos funcionam como os de artrópodes, com ultrafiltração da hemocele para dentro do saco em fundo cego, seguida por reabsorção e secreção no duto.Algumas glândulas secretoras,como as salivares e as genitais acessórios masculinas posteriores (glândulas anais),são nefrídios modificados.                 
Chelicerata
 
  
Chelicerata e Mandíbula são dois táxons irmãos de artrópodes modernos. A maioria  dos quelicerados modernos é terrestre e forma um dos maiores táxons de artrópodes terrestre.Os artrópodes ancestrais eram aquáticos ,dos quais descenderam duas linhagens evolutivas distintas,Chelicerata e Mandíbula ,que produziram independentemente linhagens terrestre bem-sucedidos.
  
Excreção

Como acontece com a maioria dos animais aquáticos, o metabolismo de nitrogênio é amoniotélico e a amônia e outra excretas e toxinas são eliminadas pela difusão por meio das membranas permeável das lamelas brânquias. As brânquias também são ativas na regulação de íons, e epitélios especializados das lamelas bombeias íons do ambiente para o sangue. Para a osmorregulação em água salobra,quatro pares de nefrídios saculiformes eliminam alguns metabolismo ,toxinas e hormônio gastos .Os quatros nefrídios avermelhados (glândulas coxais) de cada lado compartilham um duto comum,bexiga e nefridioporo .Os nifridioporos se abrem na coxa do quinto par de pernas.Nos embriões existe um par de glândulas coxais em cada segmento cefalotorácico,mais dois pares são perdidos no adulto.



Crustáceos

Os crustáceos, principalmente os pequenos e inconspanspícuos ,ocupam uma posição ecológica fundamental como elo trófico importante entre produtores primário (fitoplâncton ) e consumidores em níveis tróficos superiores (peixes) no mar.Os únicos grande táxon de artrópodes predominante aquático.
Excreção
Os órgãos excretores dos crustáceos são pares de nefrídios, em forma de bolsa ,consistindo em um saco celômico terminal ,com podócitos e circundado pela hemocele, e conectada ao exterior por um túbulo derivado de um metanefrídios .Apresenta uma participação pequena na excreção para composto nitrogenados ,porém as prováveis funções principais são a manutenção adequada do balanço iônico e do volume correto de fluido corpóreo .
Os pares de nefrídios estão localizados no segmento correspondente ao do segundo par de antenas ou no o do segundo par de maxilas, recebendo o nome de glândulas antenal ou glândulas maxilar respectivamente. Conhecidas como glândulas verdes,glândulas da carpaça ou glândulas coxais ,elas estão sempre localizadas em um deste dois segmentos em ou ambos.Os nefrídios abrem-se nas bases ou próximos das bases das segundas antenas ou das segundas maxilas .Nas lavras de crustáceos,tanto as glândulas antenais como maxilares estão, com freqüência presentes ,mas,em geral,apenas uma delas persiste no adulto .Agrupamentos de podócitos foram encontrados na base de todos os apêndices torácicos dos cefalocárdios .Se esse representarem bolsas nefridias degeneradas ,poderia ser uma evidência de que a condição ancestral nos crustáceos seria a presença de nefrídios segmentares pareados como nos anelídeos.
A excreção para composto nitrogenado é efetuada principalmente por difusão da amônia através de qualquer superfície permeável do corpo, normalmente pelas superfície envolvidas nas trocas gasosas .
A maioria dos crustáceos ocorre em habitats marinhos e são isosmóticos em relação ao ambiente em que vivem. Eles são osmoconformados que não se expõem aos problemas sérios de osmorregulação. Por outro lado, os crustáceos de água doce são osmorreguladores obrigatórios e, pelo menos nos lagostins, os saculiformes participam na regulação. Os nefrídios dos lagostins produzem uma urina hiposmótica em relação ao sangue para compensar a entrada de água doce através das superfície brânquias absorvem ativamente íons do meio ambiente.
De maneira semelhante à maioria dos artrópodes, os crustáceos têm nefrócitos.Essa célula fagocitárias ou pinocitárias acumulam excretas partículas .Os nefrócitos estão geralmente localizados em espaços hemocélios dos eixos brânquias e nas base das pernas locomotora.

Hexapoda

A enorme diversidade dos hexápodes foi resultado, principalmente, de sua extraordinária adaptação á vida no ambiente terrestre, a vôo e á coevolução com as plantas que produzem flores. Mesmo sendo animais essencialmente terrestre e tendo ocupado virtualmente todos os nichos ecológicos possíveis do ambiente terrestre ,os hexápodes também invadiram habitats de água doce e só não estão presente na água oceânicas submetidas (que constituem,o reconhecimento ,a maior parte do planeta).Seu sucesso pode ser atribuído a uma serie de fatores mas,certamente ,o esquema corpóreo de artrópode,a resistência à dessecação ,o vôo e o desenvolvimento holometábolo (indireto)são os mais importantes .
Excreção
O catabolismo de proteínas e nucleotídeos produz resíduos de amônia, mas, nas espécie terrestre o,corpo gorduroso converte a amônia em ácido úrico ,ou,algumas vezes ,em sais de amônia insolúveis para excreção.O acido úrico tem vantagem de ser insolúvel ,relativamente atóxico e necessita de uma pequena quantidade de água para ser eliminado.Os órgãos excretores principais são os túbulos de Malpighi e o reto ;os primeiros ausentes ou são vestigiais nos entognatos ,mas estão presente na maioria dos insetos ,com excreção dos pulgões .Entre 2 e 250 túbulo ,dependendo do táxon ,aparecem livres na hemocele,onde estão banhados por sangue rico em ácido úrico .
Os túbulos de Malpighi são rins de secreção que absorvem, indiscriminadamente, íons, ácido úrico, água e toxinas presentes na hemolinfa e os secretam na luz do túbulo,formando a urina primária, a qual se locomove ate atingir o proctodeu. Íons importantes, açúcares e água são resgatados seletivamente pelo epitélio do reto e retorna à hemolinfa. O àcido úrico é uma quantidade mínima de água permenece no reto e são eliminados pelo ânus junto com as fezes.
A excreção por armazenamento pelas células especializadas é importante em alguns apterigotos que apresentam túbulos de Malpighi poucos desenvolvidos ou ausentes ou pode completar a excreção do túbulos de Malpighi.Células de urato localizadas no corpo gorduroso concentra ácido úrico de forma intercelular.Os neufrócitos, localizados tipicamente no coração ou próximos a ele, absorvem moléculas residuais do sangue por pinocitose. Os resíduos pode ser armazenados ou neutralizados e devolvido ao sangue.
Um par de nefrídios saculiformes, os rins labiais, ocorre na cabeça de alguns apterigotos, com collembola e zygentoma. Cada constituído por um sáculo com podócitos e um túbulo. Um nefridióporo se abre perto da base do lábio.Uma vez que os túbulos de Malpighi estão pouco desenvolvidos ou ausente no apterigotos, os nefrídios saculiformes podem ser órgãos excretores importantes.   
     
          
Cycloneralia
Nematoda


Cycloneralia consiste em seis táxons estranho e fascinante que são gastrotricha, neomatoda, neomatomorpha, priapulida, loricifera, quinorhyncha, com a importante excreção dos nematódeos.
Neomatoda constitui o mais diverso táxon dentre os circuloneuralios e, possivelmente, o maior filo animal.

 Excreção
Nematódeos excretam amônia, a qual e perdida por difusão através da parede do corpo. Osmorregulação, regulação iônica e, talvez, a excreção de outros retos metabólicos parecem esta associadas a dois tipos de estruturas especializadas únicas dos nematódeos.
Quando as células glandulares e do canal aparecem no mesmo verme, ele compartilham um poro comum. as estruturas não lembram protonefrídios ou metanefrídios, não operam por filtração e podem se rins de secreção.Alguns nematódeos não possuem nenhum órgão excretor reconhecível.
A glândula excretora (célula ventral ou célula renente) aparece sozinha adenophorea e junto com sistema de canais excretores em alguns membros de secernentea. Essa(s) célula(s) grande(s) projeta(m) na hemocele e possui (em) um duto que forma um pescoço que abre num poro mediano-ventral. A célula é secretora, mas a função de suas secreções pode não ser excretora e várias alternativas tem sido sugeridas ou foram demonstradas para isso. O nematódeo dos citros tylenchulus semipenetrans pode excreta um matriz gelatinosa ao redor dos ovos. Essa estrutura também pode secreta a cobertura glicoproína exterior da cutícula do nematódeo de raiz Meloidigyne Javanica e produzi exoezimas para iniciar a digestão dos tecidos do hospedeiro de alguns animais parasitas.
Em algum, ela pode excreta um fluido de muda que inicia a separação da antiga cutícula da epiderme.
Todos os membros dos secernentea, que inclui muitas espécies terrestres, têm um sistema de canal excretor, quase sempre em adição à glândula excretora. Todo o sistema de canal encontra-se numa única célula elaborada, a maiores células do corpo do animal. Geralmente a célula é disposta na forma da letra H, com dois canais longos (os traços superiores do H). Um duto excretor curto conduz anteriormente do cana transversal a um poro medianoventral na região faríngea do corpo. Em alguns nematódeos, o duto é aumentado para forma uma ampola(bexiga), que se enche e esvazia de maneira rítmica uma velocidade correlacionada à osmolaridade do ambiente.

Lophophorata
Bryozoa

Os Lophophorata são três táxons de bilatérios celomados aquáticos,poronida,brachiopoda e bryozoa.
Bryozoa(=Ectoprocetea,polyzoa,”animais-musgo”), com aproximadamente 5.000 espécie viventes, é o maior, mais bem conhecido e o  mais amplamente distribuído dos táxons lofoforados.

Excreção
Não há nefrídios embriozoários e a amônia, supostamente, difunde-se através da superfície do corpora lofóforo. Outra excreta como ácido úrico, pode se armazenados temporária ou indefinidamente nos tecidos corporais.
Regressão polipídio e formação do corpo bruno è provavelmente um tipo de excreção por acumulação característica de briozoários alguns componentes do polipídios são fogocitados e sua moléculas reaproveitadas mais a grande massa residual de células necróticas contendo produtos de excreção acumulados permanece alojada no
celoma como uma esfera escura conspícua chamada corpo bruno. Em algumas espécie o corpo bruno permanece para sempre no celoma, ao passo que em outras ele é incorporado pelo estomago do novo polipídio na primeira defecação.

Deuterostomia
Deuterostomia, o grupo-irmão de Protostomia, inclui os enteropneustos(Hemichordata)estrela-do-mar e seus aparentados (Echinordermata),bem como ascídias, anfioxos,e vertebrados (chordata).

Excreção
Um par de dutos mesocélicos cilados (metanefrídios) abre-se para os poros a primeira brânquias e transporta fluido mesocélico para o exterior, porem um local de filtração hermal associado não foi identificado ainda .As metaceles pareadas do tronco, por outro, lado, não tem metafrídios, mas podócitos mesoteliais aparecem nos vasos sanguíneos da trabécula branquial. A camada de podócitos separa o sangue do fluido celômico do tronco. Na falta de saída metanefridiais, esse podócitos branquioméricos não tem função óbvias, exceto talvez levar sangue ultrafiltrado(nutrientes) para a musculatura do tronco por intermédio do líquido celômico ou participar da regulação iônica.
 
Echinodermata


Equinodermos  poderia ser variação de corpos celeste que caíram do céu como extraterrestres, tão extraordinárias são suas formas e função. Mas equinodermos são descendentes de um deuterostônio bilateralmente simétrico.
Excreção
O coração-rim dos equinodermos, contudo, desempenha uma função incerta, se é que há alguma, na excreção. Embora a única saída possível para urina seja o medreporito, não há registros confirmados de fluido saindo pelos poros do madreporito, mas sim o oposto, como discutido no item Sistema Vascular Aqüíferos. Assim parece que o coração-rim tem função não relacionada com excreção. Talvez pelo contrario, ele atue no transporte de nutrientes, como antes mencionados. Este é um dos muitos tópicos funcionais que necessitam de investigação produtiva.
Asteróides e outros equinodermos excretam nitrogênio, principalmente em forma de amônia, que se difunde através de áreas fins de parede do corpo,como os pés ambulacrais e as pápulas. Outros compostos nitrogenados (uratos) e os particulados podem ser engolfados e armazenados nos celomócitos. Células carregadas de excretas migram para as extremidades das pápulas e, talvez para os pés ambulacrais. A extremidade da pápula então se constringe e se separa da pápula, então, se descartando o alongamento de celomócitos do mar.

Chordata
 Chordata, com mais de50. 000 espécie distribuída em todos os ambientes da Terra é o maior e mais bem sucedido táxon de deuterostônio. A maior parte dessa diversidade e irradiação adaptativa é encontrada em vertebrados (peixes, anfíbios, répteis, aves, mamíferos), um grande táxon de cordados.
Excreção
Embora os cefalocordados sejam animais amonotélicos, eles possuem nefrídios filtradores pares associados, à faringe e um nefrídios ímpar na cabeça, denominado nefrídio de Hatschek. Cada nefrídios par possui um duto curto e ciliado que se abre no átrio. O duto do nefrídio de Hatschek abre-se na faringe em uma região imediatamente posterior ao velum. A parti do átrio a urina deixa o corpo através do atrióporo, mas o ácido úrico, um subproduto do metabolismo da purina, è acumulada nos tecidos associados à asgônadas. Cada nefrídio consiste em um agrupamento de podócito associados a um ramo de aorta dorsal. Entretanto, a extremidade distal de cada podócito possui um flagelo envolvido por um colarinho formado por longas microvilosidade e, portanto, assemelham-se a um protonefrídios. Do mesmo modo em protonefrídios, o colarinho tubular se insere no duto excretor fazendo a urina passar através de si antes cair no duto. Acredita-se que os cefalocordados tenham herdado um sistema metanefridial, mas a estrutura geral do sistema excretor parece indicar funções metanefridial e protonefridiais. Uma hipótese que se explica a presença deste dois tipos de células filtradora baseia-se no fato de que essas células se localizam em uma região de menor pressão sanguínea, posterior aos capilares branquiais, e são associados a um vaso sanguíneo não contrátil (um ramo da aorta dorsal). È possível que os flagelos dos podócitos atuem positivamente aumentando a pressão de filtragem que, caso fosse dada apenas pela aorta dorsal, seria insuficiente para os processos de filtração.
  
 CILIADOS Sistema excretor

video
  


     

A excreção nos animais vertebrados

Peixes 

 Por conveniência, as quatro classes conhecidas de peixes e vertebrados semelhantes a peixes são consideradas em conjunto, os Agnathes ou vertebrados desprovido de mandíbula, representados pelos ostracodermos extintos e pelos ciclóstomos (viventes), as (lampreias e peixe-bruxa); os peixes primitivos com mandíbula ou Placodermi; os Chondrichthyes ou peixes cartilaginosos, tais como tubarões, raias e quimeras; e os peixes ósseos.
Na realidade, há mais peixes no mundo do que animais de qualquer outro grupo de vertebrados, tanto em termos individuais, como em número de espécie.

Excreção
No peixe, como em outros vertebrados, o sistema excretor serve a vários propósitos. Regula o conteúdo de água do corpo, mantém o equilíbrio salino adequado e elimina os resíduos nitrogenados, resultantes do metabolismo protético. Para isto, os vertebrados desenvolveram três tipos de rins, que são comumente chamados pelos seus nomes embriológicos: pronefro, mesonefro e metanefro, embora, talvez incorretamente. Todos os três são fundamentalmente semelhantes, diferindo na sua relação com sistema sanguíneo em grau de complexidade e eficiência.
O pronefro é o mais primitivo e, embora presente no desenvolvimento embrionário de todos os vertebrados, não é funcional no adulto de nenhum deles. Alguns ciclóstomos lavrais, entretanto têm um rim, que, em parte parece ser homólogo ao pronefro embrionário dos vertebrados superiores.
Os rim funcional dos peixes, algumas vezes chamados de opistonefro, para distingui-lo do mesonefro embrionário dos amnitotas, é do tipo mesonéfrico. Este consiste de uma segmentar, que desaparece posteriormente. Cada túbulo é enrolado ou convoluto, tanto na porção proximal como na distal, e dirige-se para um ducto coletor longitudinal comum, chamado de ducto arquinéfrico. Este, por sua vez comunica-se com o meio exterior, em geral, pela cloaca, ou câmara comum, recebendo produto dos sistemas digestivo e urogenital. A porção proximal de cada túbulo termina na cápsula hemisférica, conhecida como cápsula de Bowman, na qual existe um novelo vascular ou glomérulo do sistema circulatório. A cápsula e o glomérulo juntos formam o corpúsculo renal. Água, sais e produtos de excreção da corrente sanguínea passam para o interior da cápsula e podem fluir pelo túbulo para o ducto  arquinéfrico e, finalmente, para fora de todo corpo.
O problema de manter um equilíbrio salino hídrico adequado é importante nos peixes, porque eles vivem num meio liquido,que pode ser salgado ou doce. A água  salgada tende a desidratar o corpo, que é apenas ligeiramente salino e também provoca o aumento da concentração salina no corpo. A água doce tem o efeito oposto. O rim dos peixes, portanto, tem que desempenhar um papel importante na manutenção do equilíbrio adequado para o corpo. Alguns peixes ósseo marinhos têm glândulas excretoras de sal, na brânquia, que auxiliam a eliminação do sal em excesso. Isso ocorre na espécie euri-halinas, que se movimentam entre a água salgada e a doce e toleram grande variação de concentração salina.
Os elasmobrânquios, ao contrario da maioria dos peixes marinhos, possuem corpúsculo renais grandes, e a eliminação de água é relativamente maior, como nós peixes de água doce. Dois fatores são responsável pela manutenção de um equilíbrio hídrico adequado. Primeiro, ele possuem a capacidade de manter, na corrente sanguínea, uma concentração muito alta de resíduos nitrogenados, sob a forma de uréia que chega a alcançar a concentração de 300 a1. 300miligramas por 100 mililitros de liquido. Assim embora a concentração salina, nos tubarões, não seja maior do que a encontrada em peixes, a presença de uma grande quantidade de uréia torna a pressão osmótica do corpo aproximadamente igual à da água salgada e não há perigo de desidratação.

Anfíbios

 Existe aproximadamente 3.000 espécies de anfíbios, vivendo no mundo, hoje. Comumente, os anfíbios são divididos em três ordens: a ordem Anura (rãs e sapos), a ordem Caudata ou Urodela (salamandra) e a ordem Gymnophiona ou Apoda (cobra-cega). Existem aproximadamente apenas 60 espécies desta última ordem e aproximadamente 200 espécie diferente de salamandra, de modo que a maioria dos anfíbios é representada pelas diversas espécies de rãs e sapos.

Excreção
Os anfíbios apresentam como peixes, rins do tipo opistonéfridios. Nos anfíbios caudados, os rins estruturas bastante alongadas, como nos elasmobrânquios, mas, nos Anfíbios da ordem Anura, existe uma tendência para que essa estrutura sejam curtas e compactas.
Em alguns anfíbios, o ducto arquinéfrico desenvolve um papel excretor e reprodutor nos machos, enquanto, em outros, o ducto arquinéfrico desempenha exclusivamente a função de transporte do esperma, e o rim é drenados por um novo ducto comparável ao ureter dos vertebrados.
As glândulas, que secretam uma substância gelatinosa, que recobre os ovos, geralmente estão situadas ao longo dos ovidutos.
Répteis 
As espécies viventes de répteis estimadas em 6000 descendem de um grande grupo de vertebrados, que predominaram durante a Era Mesozóica. O sucesso, que eles tiveram naquela época, geralmente, tem sido atribuído ao desenvolvimento de um novo método de proteção embrionária.
Excreção
O rim dos répteis, como o das aves e dos mamíferos, é do tipo metanefro, o tipo mais desenvolvido. Durante a vida  embrionária, contudo, tanto o pronefro como o mesonefro aparecem, refletindo, talvez a origem dos répteis.
Acredita-se que o desenvolvimento de um tipo mais eficiente de sistema excretor, nos répteis, aves e mamíferos, tenha sido necessário para satisfazer as exigência impostas pela maior atividade metabólica, o que também está associado a um sistema circulatório mais eficiente nesta região do corpo. Nos répteis, o sistema porta-renal começou a perder sua importância e parte do sangue proveniente da região caudal começou a passar diretamente pelos rins, em vez de ser filtrado vagarosamente pela rede capilar. Isso foi compensado pelo desenvolvimento das artérias renais, que trazem o sangue diretamente da aorta dorsal para os rins. O sangue retorna deste para a veia pós-cava, por meio das veias renais.
Aves
  As aves compartilham com os mamíferos a distinção de seres os vertebrados mais recentes a habitarem a terra. Estima-se que 8.700 espécies viventes estejam distribuída pelo mundo, desde o Ártico até a Antártida, tanto nos mares quanto nos continentes.

Excreção
O sistema urogenital  das aves assemelha-se em muitos aspectos mais ao sistema urogenital dos répteis do que ao dos mamíferos, com excreção dos monotremados. Os rins, como os de todos o amniotas, são do tipo metanefro e são em número de dois. Entretanto, eles são proporcionalmente grandes, com lobos irregulares, adaptando-se as depressões do sinsacro. Cada rim tem um ureter, que se abre na coloca. Conseqüentemente, a urina mistura-se com material fecal. A única ave que possui bexiga é o avestruz.
As glândulas supra-orbitais de certas aves, principalmente de espécie marinhas, têm demonstrado que, como em alguns répteis, estas glândulas são usadas para rápida excreção do sal do sangue. Considere-se que isto seja responsável pela capacidade que as aves marinhas têm para ingerir água salgada, sem apresentarem modificações especiais dos rins.
Pela remoção dos sais do sistema excretor, pode ocorrer maior absorção de água na coloca. Poucas aves podem sobreviver sem beber água e as, que fazem, devem reduzir a perda cloacal de água.
Estas alças reabsorvem água e, por intermédio disto, concentra a urina.
Mamíferos
 Os mamíferos surgiram rapidamente de sua origem a partir de répteis, na Era mosozóica, e expandiram-se para quase todos os nichos e habitat disponível sobre a Terra. São encontrados no oceano, ao longo dos litorais, em lagos, rios, no subsolo, sobre a terra e nas árvores; alguns habitam até os ares. Sua distribuição é desde as regiões polares até os trópicos e, na maior parte das áreas continentais, ultrapassam todos os outros vertebrados em número de indivíduos. O número atualmente reconhecido das espécies do Período Recente é de mais de 4.000. Algumas destas, contudo, podem, basicamente, apresenta-se como variação geográfica, de forma que o número real pode ser um pouco menor.
Excreção
Os mamíferos adultos, como os outros amniotas, possuem um rim do tipo metanéfrico. Possuem também uma bexiga urinária. Nos mamíferos, como em outros vertebrados, os rins não estão apenas relacionados com a eliminação de resíduos nitrogenados, sob a forma de uréia, resultante do metabolismo protéico, mas também com o equilíbrio hídrico. Este último problema varia enormemente e depende, em grande parte, do ambiente e dos hábitos de uma espécie. Os mamíferos marinhos precisam lutar contra o problema da ingestão de sal, que acompanha seu alimento, enquanto as espécie as espécie do deserto confrontam-se, às vezes, com a ausência de água exógena.
A prevenção de água é realizada, principalmente, através dos rins, que secretam urina muito concentrada.         

O ciclo da onitina, sistema excretor humano, A estrutura do nefrom e a formação da urina

 o ciclo da ornitina 
 Resultanter da degradação dos aminoácidos, e muito tóxica, a amônia é rapidamente convertida em uréia pelo organismo dos mamiferos, através do ciclo da ornitina, que acontece no fígado.
Inicialmente, o gás carbônico e a amônia combinam-se com o composto ornitina, formando a citrulina. A combinação da citrulina com mais amônia forma a argenina. Finalmente, a reação da agenina com a água produz arnitina e uréia.

o ciclo da onitina transfoma a amônia em uréia.


sistma excretor humano
O sistema  excreto humano é constituido por: rins, ureteres, bexiga e uretra.
Os rins situam-se na região dorsal, acima da cintura, um de cada lada da coluna vertebral. Cada rin humano tem a forma de um grão de feijão, medindo aproximadamente 15 centímetro. cortado longitudinalmente, o rim aparece contituído por duas partes: uma externa, chamada de cóetex, e outra interna e escura, a medula, relpleta de vasos sanguíneo.Na porção mediana e côncava de cada rim existe uma estrutura  em forma  de funil, chamada bacinete ou renal. Do bacinete parte um longo tubo, o ureter, que vai ter á bexiga  urinária, que se comunica com o exterior a traves da uretra.

Em cada  rim penetra  uma artéria renal, que é um ramo da artéria aota. No interior do rim a atéria renal ramifica-se em numerosas arteríola e capilares, dos quais saem vênulas que acabam  formando a veia renal, que sai do rim e desemboca na veia inferior

  o sistemaexcretor humano é costituido por: rins, ureteres, bexiga e uretra

A estrutura do nefrom

cada rim é formado por cerca de um milhão de nefrons, estruturas microscopicas que constituem as unidades anatômicas e funcionais do rim.
O néfron é composto pelo glomérulo de malpighi e o túbulo renal, estruturas responsáves pela filtração do sangue e formação da urina.

> o glomérulo de malpighi é um novelo de capilares sanguíneos envolvido pela capsulade bowman, parte inicial do tubulo rena. Os capilares  formadores do glomérulo situam-se entre duas arteríolas: a aferente, que chega ao glomérulo, e a eferente, que parte dela. A arteríola eferente sofre nova capilarização em torno do túbulo renal, e dessa útima capilarizãoção nasce a veia renal.

> O túbulo renal é fechado numa de suas extremidades, a qual dilata formando, em tornodo do glomérulo, a cápsula de bowman.
 No túbulo renal destacam-se três segmentos: túbulo contonado proximal, a alça de henle e o túbulo contonado distal. A união dos túbulos distais forma o túbulo coletor, que se comunica com o bacinete.


o néfron é a unidade estrutural e fisiológica do rim. 

formação da urina 
na formação da urina podemos considerar três atapas: filtração, reabsorção e secreção   

> filtração glomerular 
ocorre entre os capilares do gomérulo ea cápsula de bowman. O plasma,contendo água, glicose, uréia e outras moléculas pequenas, passa do sangue para o interior da cápsula de bowman. Os glóbulos do sangue e as grandes moléculas, como as proteínas, são retidos no sangue.
O processo da filtração é determinado pela pressão sanguínea.

> reabsoção tubular 
No filtrado glomerula existem substâncias úteis ao organismo, com a água, glicose, aminoácidos e vitaminas,que são reabsorvidas. A rede capila que envolve o tubulo renal absorve essas substâncias. calula-se que, diariamente, são filtrados 180 litros de fluido. com a reabsorção de água, o fluido é concentrado, de maneira que se forma apenas de meio litro a um litro de urina por dia.  

>secreção tubula
As células dos túbulos renais, além de realizarem a reabsorção de água e substâncias úteis, eliminam para o interio do próprio túbulo íons em excesso e  certas substâncias químicas como, por exenplo, a penicilina. O processo é feito  por trasnporte ativo e controla o pH do  sangue .Quando o liquido atinge a extremidade do tubo coletor, passa a ser chamdo de urina.
Na composição química da urina,além de água encontramos, uréia,ácido úrico, pigmentos como a urobilina e consiste inorgânico(cloreto de sódio,fosfato,potássio,cálcio e outros).
Formada nos túbulos renais, a urina atinge os túbulos coletores,passa para os ureteres e chega á bexiga,onde se acumula.

Regulação da função renal e o melhor jeito de eliminar urina

Regulação da função renal

A regulação da função renal esta ligada basicamente à regulaçao da quantidade de liquido do corpo. Havendo necessidade de reter água no corpo, a urina fica mais concentrada em função da maior reabsorção de água; havendo excesso de água no corpo a urina fica menos concentrada em função da menor reabsorção de água.
O principal agente fisiológico regulador equilíbrio hídrico no corpo humano e o hormônio ADH (hormônio antidiurético), produzido na hipotálomo e armazenado na hipófese. 
A concentração do plasma sanguínio é precebida por recptores osmóticos localizados no hipotálamo. Havendo aumento na concentração do plasma(pouca água), esses osmorreguladores estimulam a produção de ADH. Esse hormônio passa para o sangue, indo atuar sobre os túbulos de estais dos nefrons e sobre dutos coletores, tornandos as células de túbulos mais permeáveis á água. consequentemente, ocorre maior retenção de água no corpo quanto, ao contrário, a concentraçãodo plasma é baixa (muita àgua), a produção do ADH é inibida e, consequentemente, ocorre meor absorção de água nos túbulo estais e nos dutos coletores, possibilitando a elininação do excesso de água. Assim, a urina fica mais diluida.
   


o melhor  jeito de eliminar urina


Bibligrafia
  Livros
Biologia (Ceézio e Bellunello)
Biologia (Sônia Lopes esergio Rosso) 
Biologia dos vertebrados (Robert T)
Zoologia dos invertebrados (Ruppert,Fox,Benes)
Zoologia geral (Storer,Usinger,Stebbins,Nybakken)
Site

ttp://cafebelajar.com/tag/filum-echinodermata
http://www.diadia.pr.gov.br/tvpendrive/modules/mylinks/viewcat.php?cid=5&min=540&orderby=ratingD&show=10
https://www.google.com/accounts/ServiceLogin?service=blogger&continue=https%3A%2F%2Fwww.blogger.com%2Floginz%3Fd%3Dhttp%253A%252F%252Fwww.blogger.com%252Fpost-edit.g%253FblogID%253D4649698487603909809%2526postID%253D9205954535128540794%26a%3DADD_SERVICE_FLAG&passive=true&alinsu=0&aplinsu=0&alwf=true&hl=pt_BR&ltmpl=start&skipvpage=true&rm=false&showra=1&fpui=2&naui=8#s01
http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://200.136.76.125/colegio/tabelas/img/bio_figura22.gif&imgrefurl=http://200.136.76.125/colegio/tabelas/biologia.asp&usg=__1z6k959LvqfODbX-JgNzdpBsc5s=&h=161&w=637&sz=11&hl=pt-br&start=0&zoom=1&tbnid=E38NBSuenNyoOM:&tbnh=71&tbnw=280&prev=/images%3Fq%3Dciclo%2Bda%2Bornitina%26um%3D1%26hl%3Dpt-br%26client%3Dfirefox-a%26sa%3DN%26rls%3Dorg.mozilla:pt-BR:official%26biw%3D1366%26bih%3D573%26tbs%3Disch:1&um=1&itbs=1&iact=rc&dur=400&ei=ITEGTdOdAoO8lQew7Oz6Aw&oei=ITEGTdOdAoO8lQew7Oz6Aw&esq=1&page=1&ndsp=19&ved=1t:429,r:1,s:0&tx=112&ty=26
http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.imotion.com.br/imagens/data/media/24/3917peixes.jpg&imgrefurl=http://www.imotion.com.br/imagens/details.php%3Fimage_id%3D15049&usg=__SOIdnrbA0FrTByfGseoEovC4tsI=&h=768&w=1024&sz=309&hl=pt-br&start=0&zoom=1&tbnid=VRgVw3JGmFCrzM:&tbnh=123&tbnw=160&prev=/images%3Fq%3Dpeixes%26um%3D1%26hl%3Dpt-br%26client%3Dfirefox-a%26rls%3Dorg.mozilla:pt-BR:official%26biw%3D1366%26bih%3D573%26tbs%3Disch:1&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=804&vpy=254&dur=1043&hovh=194&hovw=259&tx=125&ty=125&ei=qUgGTfb8GYOglAev-YDeCQ&oei=eEgGTbSLNIWgnQe9r_3nDQ&esq=6&page=1&ndsp=21&ved=1t:429,r:11,s:0
http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://1.bp.blogspot.com/_c0paIdJyJb8/S8d32QCKlVI/AAAAAAAAANY/fEzKKT4Injg/s1600/anf%C3%ADbios_sapo5.jpg&imgrefurl=http://folhasentreabertas.blogspot.com/2010_04_01_archive.html&usg=__1Tf1ma_7F3w0CXUJn8PL2xicoJI=&h=340&w=525&sz=13&hl=pt-br&start=14&zoom=1&tbnid=GnCzgkS5Xj6ydM:&tbnh=85&tbnw=132&prev=/images%3Fq%3Danfibios%26um%3D1%26hl%3Dpt-br%26client%3Dfirefox-a%26rls%3Dorg.mozilla:pt-BR:official%26biw%3D1366%26bih%3D573%26tbs%3Disch:1&um=1&itbs=1
http://desmanchecel.blogspot.com/2010/07/sei-nao-hein.html
http://biopibidufsj.blogspot.com/2010/05/influencia-de-gradientes-latitudinais-e.html
http://daanvanalten.nl/quimica/module12/par01312cicloureia.html
http://www.lactobacilo.com/dietoterapia/insuficiencia.htm
http://www.lookfordiagnosis.com/mesh_info.php?term=Glom%C3%A9rule+R%C3%A9nal&lang=4
http://fisiorenal.blogspot.com/2009/06/regulacao-renal.html


Videos
  You Tube
Autores 
Fernanda Cardoso
Leliane
Misael Campelo
Yunara
Odileia karla